Conecte-se Twitter Facebook Youtube Feed
LN Imports
FT Education Lotse

38ª Edição 12 Horas de Tarumã

38ª Edição 12 Horas de Tarumã

Data: 15/12/2018.

Local: Autódromo de Tarumã - Viamão - RS.

CORRIDA DE LONGA DURAÇÃO

Em uma volta as nossas origens, Autodynamics esteve pela
primeira vez nas 12 Horas de Tarumã e comprovou que provavelmente você não
encontrará atualmente uma corrida tão tradicional e que concretiza a paixão
pelo automobilismo brasileiro

Texto: Rodrigo Vieira - Autodynamics

O amor pelo automobilismo é uma questão inexplicável, pois
nada poderá explicar o que faz seres humanos se digladiarem contra equipamentos
e contra o organismo para alcançarem o mais puro ápice de apenas chegar ao
final de uma maratona de paixão e tradicionalismo. Foi com esta intenção que a
Autodynamics desembarcou pela primeira vez nas lendárias 12 Horas de Tarumã,
atual corrida de “longa duração” – ainda acho este nome mais nostálgico do que
o “endurance”, mais tradicional do Brasil.

Em volta, o povo gaúcho, extremamente apaixonado por
automobilismo e que não ligou para o fato da corrida não contar com tantos
participantes, em virtude da crise brasileira de 2018. Para aqueles amantes do
esporte a motor, o grid parecia ter 50 carros e isto não fez tanta diferença.

Em todo entorno do lendário circuito situado na cidade de
Viamão, grande Porto Alegre, viu-se pessoas que tem anualmente um compromisso
em estar ali. São pessoas de todas as idades que, entre goles, churrascos e
muita alegria, têm na exaustão o resultado do mais puro amor por ouvir
reduzidas, disputas acaloradas, labaredas de punta taco e carros virando a
noite como um verdadeiro show de magia. Assim é para nós também, mais
especificamente para este que vos escreve.

A prova batizada de “Prova Paulo Trevisan”, contou com a
presença do ícone do Museu do Automobilismo Brasileiro. Paulo Trevisan trouxe
os primeiros protótipos Tubarão, carros em perfeita forma e guardados em um
Museu que deveria ser muito mais valorizado pelas grandes mídias.

Fui para Tarumã não com o intuito de fazer uma cobertura jornalística.
Fui conhecer uma corrida que sempre sonhei assistir e viver. Fui recepcionado
de cara pela lenda, o locutor Ademir Perna, um verdadeiro patrimônio dos
microfones dos autódromos gaúchos com suas tiradas envolvidas de pura entrega
de uma vida para o esporte. Ao seu lado, outro apaixonado por automobilismo,
réu confesso do amor pelas 12 Horas de Tarumã, Gefferson Kern, um locutor
incomparável das arrancadas brasileiras e que tem no esporte a motor outro
norte em sua vida.

PRIMEIRA VEZ

Fui a convidado da família Andrade, os Tubarões! A família
MC Tubarão é adorada por ali. Carlinhos de Andrade foi homenageado e pude
presenciar como a família é respeitada por todos que estavam ali presentes. Carlos
Geison de Andrade, Denis Andrade (Denti) e o piloto Tiel Andrade são os filhos, sendo este último, um
dos pilotos do Protótipo MC Tubarão 05, um bólido com motor Duratec 2.0 Turbo
que, desde os primeiros treinos, mostrou que vinha para ganhar a corrida. Ao
lado de Tiel Andrade, dois pilotos que tiveram grande responsabilidade nesta
vitória, Júlio Martini e Matheus Stumpf, pilotos que conduziram com maestria e
foram capazes inclusive de suportar a pressão que o Protótipo AJR #46 (competente
Motin Racing) fez durante a madrugada e faria até o fim da prova, ameaçando a
vitória, caso não tivesse tido um problema e abandonado no início da manhã.

Uma corrida de endurance brasileira raiz, necessita ter
diversos ingredientes. Desde os mágicos protótipos, até os Aldeé Coupes, Monza
Aspirado, Corsa que fez inscrição de última hora (com direito a nomes escritos
com caneta piloto e números cortados com adesivo contact), todos eles chegando
ao final da maratona passional.

Importante ressaltar a preliminar da prova, com três
baterias da Copa Classic com verdadeiros digladiadores. Lindo de ver a disputa
entre meu amigo Leovaldo Petry e outro “casca de ferida” da categoria, Roberto
Lacombe. Disputa assustadora entre os Gols aspirados. Pude estar presente com
amigos, Cleiton Krause (Uno) e Niltão Amaral (Passat), este último um peregrino
incansável no erguimento de uma divulgação de automobilismo pouco vista em todo
território nacional. Também necessito dizer publicamente que se não fosse o esforço do meu amigo Maicon Rodrigo Anschau, eu não teria ido a esta corrida. Muito obrigado!

Não posso dizer que vim da Arrancada, esta eu aprendi nas
ruas e tenho a mesma paixão. Meu amor pelo automobilismo nasceu das
arquibancadas de Interlagos, ainda adolescente nas Mil Milhas Brasileiras,
corrida de longa duração que foi ceifada pelo poder e por falta de respeito as
tradições, tradições estas que serão mantidas para sempre nas 12 Horas de
Tarumã, com direito a Fernando Poeta dizendo nos microfones que os regulamentos
deverão favorecer novamente as equipes de entrada e os GT´s. Importante nunca
deixarmos que isso se perca, pois pretendo para o resto da minha vida nunca mais
perder esta, que foi uma das maiores corridas que eu já fui em toda minha vida.
Em todas as suas 591 voltas.

Muito obrigado a todos, com amor,

Rodrigo Vieira - Autodynamics

--

COBERTURA EM VÍDEO


PARTE 1


PARTE 2


PARTE 3


PARTE 4

--





Compartilhe com seus amigos:
Share

« Voltar